Aborto é morte: 95% dos biólogos afirmam que a vida começa na concepção

  • 27/04/2016
  • 0 Comentário(s)

Aborto é morte: 95% dos biólogos afirmam que a vida começa na concepção

O chefe de uma importante organização jurídica pró-vida argumentou que os políticos precisam ser coerentes e ouvirem a ciência quando o tema aborto surgir no debate público. Esse desafio foi feito após a divulgação de um estudo que aponta que 95% dos biologistas entendem que a vida começa na concepção.

“Apesar de quantos políticos tentam usar eufemismos para negar isso, toda vida humana começa na concepção e milhares de biólogos confirmam essa verdade”, disse Mat Staver, advogado fundador da Liberty Counsel. “Não é preciso dizer que todo bebê não nascido e nascido tem valor, não importa o estágio ou as circunstâncias”, acrescentou.

Staver, que já foi um pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia e largou o ministério para se tornar membro de uma Igreja Batista ligada à Convenção Batista do Sul, considerada uma das maiores do mundo, atua na defesa da vida e de valores conservadores.

Ele citou uma avaliação científica relativamente recente que revelou que 95% dos biólogos (5.212 de 5.502 entrevistados) afirmaram a visão biológica de que a vida de um humano começa na fertilização.

Essa é uma questão fundamental no aborto, uma vez que muitos dos que apoiam o aborto afirmam que não sabem quando a vida começa, ou afirmam que começa no nascimento, que o feto não é realmente uma criança.

Mas mesmo Harry Blackmun, que escreveu a opinião da Suprema Corte dos Estados Unidos criando o direito ao aborto em 1973, admitiu que havia preocupações. Segundo o portal WND, o então juiz declarou que, se a personalidade do feto fosse estabelecida, a premissa da decisão entraria em colapso e o bebê ainda não nascido teria as proteções completas da Constituição.

O estudo citado por Mat Staver diz que “o consenso dos biólogos sobre ‘quando a vida se inicia’ começou com o questionamento de quase três mil adultos sobre quem deveria responder à pergunta sobre o início da vida”.

Para a maioria desses três mil entrevistados, os biólogos foram apontados como os profissionais mais preparados. “De fato, a maioria justificou sua seleção ao descrever os biólogos como cientistas objetivos que podem usar sua perícia biológica para determinar quando a vida de um humano começa”, diz o relatório do estudo.

“Biólogos acadêmicos foram recrutados para participar de um estudo sobre sua visão descritiva de quando a vida começa. Uma amostra de 5.502 biólogos de 1.058 instituições acadêmicas avaliou declarações que representam a visão biológica de que ‘a vida de um humano começa na fertilização’. Este ponto de vista foi usado porque pesquisas e pesquisas anteriores sugerem que muitos americanos e médicos especialistas sustentam essa visão”, explicam os autores do estudo.

“Cada uma das três afirmações representando essa visão foi confirmada por um consenso de biólogos (75-91 por cento). Os participantes foram separados em 60 grupos e cada declaração foi afirmada por um consenso de cada grupo, incluindo biólogos que identificaram como muito pró-escolha (69-90 por cento), muito pró-vida (92-97 por cento), muito liberal (70 -91 por cento), muito conservador (94-96 por cento), democratas fortes (74-91 por cento) e republicanos fortes (89-94 por cento)”.

“No geral, 95% de todos os biólogos afirmaram a visão biológica de que a vida de um humano começa na fertilização (5212 de 5502)”, acrescenta o estudo.

Os autores observaram que essa questão em particular “ditava a visão normativa que guia as leis de aborto dos Estados Unidos”. Por exemplo, o aborto era ilegal na “aceleração” no século XVIII e ilegal na “concepção” do século XIX.

Agora, há aborto virtualmente ilimitado nos Estados Unidos graças à decisão do caso “Roe versus Wade” e decisões subsequentes que determinam que ninguém pode colocar um “obstáculo” diante de uma mulher que exige um aborto.

O Liberty Counsel explicou que Steven Jacobs, candidato a Ph.D da Universidade de Chicago, que recentemente defendeu sua dissertação intitulada “Equilibrar Direitos de Aborto e Direitos Fetais: Uma Mediação de Métodos Mistos do Debate de Aborto dos EUA”, se baseou no estudo de biólogos para fundamentar sua tese.

O Liberty Counsel explicou que Jacobs pediu aos biólogos que concordassem ou discordassem de duas afirmações: “O produto final da fertilização de mamíferos é um óvulo fertilizado (‘zigoto’), um novo organismo de mamíferos no primeiro estágio do ciclo de vida de sua espécie com sua espécie, genoma”, e “O desenvolvimento de um mamífero começa com a fertilização, um processo pelo qual o espermatozóide do macho e o óvulo da fêmea se unem para dar origem a um novo organismo, o zigoto”. 90% concordaram com a primeira declaração; 75% com a segunda.

“A pesquisa de Jacobs também sugere que 83% dos entrevistados “pró-escolha” acreditam que ‘o apoio ao aborto legal diminuiria’ caso se tornasse de conhecimento geral que fetos são humanos biológicos na fertilização”, concluiu o Liberty Counsel.


0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


Locutor no Ar

CENTRAL DE OPERAÇÕES

PROGRAMAÇÃO PRINCIPAL

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Anunciantes